Tudo é vendas!

EMPREENDEDORISMO | Como você vende seus produtos e serviços? Vender é uma das atividades mais antigas da humanidade, afinal documentos relativos à história da Grécia Antiga revelam que a venda estava ali presente como atividade de troca, e que o termo vendedor já era utilizado.

 

Foi na época da Revolução Industrial, que a profissão de vendedor foi estabelecida como a conhecemos hoje. Contudo, todos nós vendemos algo a todo instante. Seja uma ideia, um produto ou um serviço, até nós mesmos. Tanto nas relações sociais, quanto profissionais, estamos vendendo nossa imagem, nossas características pelas quais queremos ser lembrados. Não é?

 

Em um processo seletivo, por exemplo, o candidato apresenta ao selecionador aquilo que de melhor ele possui. O contrário também ocorre, quando o selecionador apresenta a empresa ao candidato. Enfim, vender faz parte da vida!

 

“Sim, eu vendo coisas às pessoas que elas não precisam. Não posso, no entanto, vender a elas algo que elas não queiram. Mesmo com propaganda. Mesmo se eu estivesse decidido a fazê-lo” – John O’Toole

 

Isso me faz lembrar da história da vendedora de bombom, que me abordou apresentando seu produto, mas não vendeu nada!

 

A VENDEDORA DE BOMBOM

Era um domingo, por volta das 11 horas da manhã. O sol brilhava forte em Santos, litoral de São Paulo. Eu e minha esposa tomávamos água de coco no quiosque próximo ao canal 6. Todas as mesas próximas estavam ocupadas, com pessoas de todas as idades, e aproveitando a suave brisa que vinha do mar.

Empreendedorismo - Santos - Ponta da Praia

Conversávamos sobre amenidades quando fomos surpreendidos por uma voz feminina:

– compra meu bombom?

Olhamos atônitos para ela, pois levamos um susto, e imediatamente respondi com um sonoro NÃO!

Ela, então, virou-se e foi abordar outras pessoas, com a mesma frase: “compra meu bombom?”.

 

Bem, passado o efeito do susto, conversamos rapidamente sobre a abordagem desastrosa dela ao vender seu produto. Aquilo me incomodou.

 

Comentei com minha esposa que ela falhou na maneira como chegou até nós, de forma abrupta. Depois sua fala foi curta e intimatória, o que nos fez refugar rapidamente seu pedido. Por fim, após nossa recusa, simplesmente virou-se e foi embora. Tudo errado!

 

Não sou especialista em vendas, mas estudo o comportamento humano há muitos anos (desde antes da graduação em psicologia e dos diversos cursos de aperfeiçoamento que fiz depois), e sei o que funciona e o que não funciona numa situação dessas. Você também sabe! “Todo mundo sabe”! Porém, tenho certeza que ela não.

 

Poderia deixar passar mais este episódio, mas lembrei de uma frase de Martin Luther King, que me fez ir atrás dela para dar um conselho: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”.

Minha esposa me incentivou a fazer isso e fui. Ela já tinha passado por pelo menos umas seis mesas depois da nossa. Não vendeu nada. Então, cheguei perto e disse:

– posso falar com você?

Ela olhou para mim e acenou positivamente com a cabeça.

Daí, falei novamente:

– vi você tentando vender seus bombons e quero dar um conselho a você… aceita?

Mais uma vez ela acenou positivamente e continuei…

– você passou por nós oferecendo seu bombom e não compramos… sabe por que?

Ela respondeu novamente apenas com a cabeça, desta vez negativamente.

Expliquei sobre a abordagem inicial impositiva e também que ela não falou do produto, suas qualidades, etc. Com cara surpresa ela agradeceu, desta vez com palavras.

 

Percebi que ela tinha um bom produto, pois me explicou como fazia, os ingredientes e tudo mais, mas não vendia por causa de seu modo de “vender”. Fiquei pensando em quantas pessoas passam por isso. É o seu caso?

 

Minha felicidade foi poder contribuir com alguém que não conheço, mas estava aberta para ouvir um desconhecido que viu ali uma oportunidade de compartilhar boas práticas na vida. Este tem sido meu propósito!

 

“O mais importante para o homem é crer em si mesmo. Sem essa confiança nos seus recursos, na sua inteligência, na sua energia, ninguém alcança o triunfo a que aspira.” — Thomas Wittlam Atkinson

 

Portanto, para vender algo é preciso ter clareza do seu produto ou serviço. Ainda mais quando o que estiver “vendendo” for você mesmo. É fundamental estudar as boas práticas de vendas e marketing, mesmo que não venda algum produto físico. Afinal, como diz meu amigo e palestrante Carlos Fortes: tudo é vendas!

 

Rogerio Martinsum apaixonado por empreendedorismo e auxiliar as pessoas a alcançarem seus melhores resultados através da autoliderança e comportamento assertivo.

IMPORTANTE: Deixe seu comentário (elogio, crítica, experiência ou sugestão) abaixo para que eu possa aprimorar os conteúdos deste site. Compartilhe em suas redes sociais para que possa alcançar um número de maior de pessoas e contribuir para o desenvolvimento pessoal e profissional de cada um. Esta é minha missão: difundir boas práticas para a melhoria de cada pessoa.
Share This